O movimento de mercadorias em Sines cresceu 5% no ano passado, suportado pelos granéis líquidos e, mais ainda, pela carga contentorizada. O Terminal XXI avançou 51% para os 382 mil TEU.

De longe o maior porto nacional, Sines reclama agora também o primeiro lugar na movimentação de cargas de exportação, depois da subida de 48% registada no ano passado, para um total de 4,97 milhões de toneladas.

A carga geral contentorizada foi a que mais progrediu em 2010, no porto alentejano: 44% para os 4,5 milhões de toneladas. Dessas, 2,2 milhões foram cargas de exportação, uma subida de 53%. Um incremento que explica e se explica com o aumento da actividade do Terminal XXI, fruto do reforço dos serviços ali operados, com óbvio destaque para a MSC e para as suas ligações directas ao Extremo Oriente e ao Canadá.

O Terminal XXI cresceu 51% ao longo do ano findo, tendo passado de 253 495 TEU para 382 089 TEU. E com isso a PSA Sines “ameaça” já a posição do TCL, concessionária do terminal de contentores de Leixões, como maior operador nacional.

Os granéis líquidos também deram um importante contributo para os números positivos de Sines, em termos globais e na exportação. O movimento daquele tipo de cargas atingiu os 18 milhões de toneladas (mais 13% em termos homólogos).

Em quebra estiveram os granéis sólidos, que cederam 43% para cerca dos três milhões de toneladas.

Sem surpresa, o número de navios que escalaram Sines no ano passado subiu 17% para os 1 619. E o porte médio aumentou 12%, ao que não serão alheias as escalas dos mega-carriers de 14 000 TEU da MSC que têm ali aportado no âmbito do “Lion Service”.

 

 

 

 

 

Comments are closed.