O porto de Sines movimentou 11,7 milhões de toneladas no primeiro semestre, menos 7% que no período homólogo de 2010. Com todos os tipos de carga em forte alta, o resultado global ainda é penalizado pela paragem da refinaria da Petrogal, no primeiro trimestre, que custou cerca de 800 mil toneladas.

A carga contentorizada continua a ganhar terreno em Sines, valendo já 2,3 milhões de toneladas. Mais 18% que há um ano. O Terminal XXI movimentou no semestre 203 389 TEU. Uma subida de 23%, que reforça a sua posição de segundo terminal nacional, mas que fica longe do excepcional ganho de 50% verificado no primeiro trimestre.

De acordo com a administração de Lídia Sequeira, no primeiro trimestre registou-se um aumento de 23% nas cargas de exportação em contentor, ao passo que o tráfego local registou um crescimento de cerca de 30%.

Em alta estiveram também os granéis sólidos, que movimentaram 1,6 milhões de toneladas (mais 16%), o GNL, com um registo de 1,1 milhões de toneladas (mais 15%) e os produtos petroquímicos, que avançaram 28% até às 305 mil toneladas.

Em baixa só estiram mesmo os produtos petrolíferos, e logo 20%, com um total de 6,4 milhões de toneladas movimentadas.

Mesmo no final do semestre a MSC anunciou um novo serviço regular com a América do Sul, que abre perspectivas de afirmar Sines como um hub de transferência de cargas entre a Ásia, a costa atlântica da América do Sul e o Canadá.

Para este segundo semestre, mais propriamente para o terceiro trimestre, anuncia-se o arranque das movimentações de cargas para a Artlant, que deverá trazer um novo impulso, quer na movimentação de granéis líquidos, quer nos contentores.

Comments are closed.