O SNMMP fala em situações de recurso ao lay-off simplificado de forma “abusiva e ilícita” e vai convocar os motoristas associados para decidirem formas de luta.

Em conferência de imprensa na sua sede, em Aveiras de Cima, o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) disse ter provas de casos de motoristas que, depois de colocados em regime de lay-off parcial, continuaram a trabalhar quatro dias por semana, entre 40 a 50 horas semanais, mas recebendo apenas 2/3 do seu ordenado.

Segundo o sindicato, há também casos de trabalhadores em lay-off total que receberam menos de 50% do seu salário e de outros que chegaram a trabalhar aos feriados e fins de semana.

SNMMP entende que se trata de declarações falsas de ‘lay-off’, de empresas que estão a receber apoios do Estado a que não têm direito.

O sindicato diz ter solicitado várias vezes nos últimos meses reuniões com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e com o Ministério das Infraestruturas e da Habitação, mas que não obteve qualquer resposta. “Infelizmente parece que os ministérios responsáveis só nos ouvem quando anunciamos medidas mais radicais”, aponta.

SNMMP queixa-se ainda da falta de protecção aos motoristas, por exemplo no caso dos que fazem transporte internacional de mercadorias, que, diz, deviam ser sujeitos a um teste de rastreio à Covid-19 quando regressam a Portugal, o que não está a ser feito.

Por último, o SNMMP referiu ainda o caso da empresa Taldis S.A., já denunciado pela eurodeputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias, que teve os seus trabalhadores presos na Bélgica durante quatro meses. Segundo o sindicato, aqueles trabalhadores foram “abandonados” na Bélgica e viveram no interior de camiões, com dificuldades de acesso a alimentos. “Estamos muito próximos da escravidão, com a qual não nos podemos conformar”, defende.

Sem conseguir reunir-se com a tutela, nem com o Ministério do Trabalho, o sindicato decidiu convocar uma assembleia geral de associados, por via digital, no início do próximo mês, em data ainda a anunciar, para decidir os próximos passos a dar no sentido de resolver estas questões e formas de luta a adoptar.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*