O primeiro ministro acredita que a reavaliação das PPP acordada com o PSD acabará por validar os estudos realizados sobre o troço Poceirão-Caia da linha de Alta Velocidade Lisboa-Madrid.

Em entrevista à TVI, José Sócrates insistiu em que a Alta Velocidade é “positiva” para a economia portuguesa e foi taxativo em dizer que “estou absolutamente convencido e seguro de que esses estudos [sobre o Poceirão-Caia] estão correctos e que a construção será iniciada”.

Os últimos estudos feitos sobre a linha Lisboa-Madrid datam de Junho de 2009, e correspondem a uma actualização da análise custo-benefício do projecto entregue em Bruxelas pelos governos de Lisboa e Madrid.

Citado pelo “Público”, Fernando Nunes da Silva, especialista em transportes e vereador com a responsabilidade da Mobilidade na edilidade de Lisboa, lembrou que tais estudos estão desactualizados, por causa da crise mas sobretudo por efeito da suspensão (ou atraso) da construção da ligação Lisboa-Poceirão, incluindo a TTT.

Nunes da Silva referiu que a inexistência da TTT aumentará em cerca de 30 a 40 minutos o tempo de viagem entre as duas capitais, o que diminuirá a competitividade da Alta Velocidade face ao avião.

Augusto Mateus, ex-ministro da Economia do PS, por seu turno, referiu a oportunidade de aproveitar a avaliação das PPP para fazer o trabalho que ainda falta, qual seja “o casarmos políticas que andaram divorciadas nos estudos realizados. A lógica de transportes não está suficientemente articulada com o desenvolvimento e ordenamento do território”.

Álvaro Costa, professor da FEUP, concorda, também em declarações ao “Público”, com a actualização dos estudos, sublinhando que o Governo decidiu dar prioridade ao Lisboa-Porto quando os estudos apontavam para um maior benefício económico da ligação Lisboa-Porto.

No entretanto, o consórcio vencedor da concessão do Poceirão-Caia ainda não recebeu qualquer indicação da Refer sobre o eventual adiamento das obras, pelo que continua a preparar-se para arrancar no terreno no início de 2011.

Os comentários estão encerrados.