A companhia aérea nacional estima um crescimento de 25% também nas receitas, avançou José Anjos no Seminário de Transporte Aéreo promovido pelo TRANSPORTES & NEGÓCIOS.

Depois da forte quebra experimentada em 2010, a TAP Cargo deverá atingir este ano um recorde de 94 mil toneladas movimentadas, prevê o director da empresa, José Anjos.

As receitas deverão acompanhar a tendência, com um crescimento homólogo de 31%, acima, portanto, do estimado para a indústria (25%), acrescentou aquele dirigente.

Entre Janeiro e Agosto, a actividade da TAP Cargo, medida em toneladas-km, cresceu 18% na relação Europa-África subsaariana (essencialmente, por causa de Angola, mas não só) e 50,8% no Atlântico Sul (leia-se Brasil), relativamente aos primeiros oito meses de 2009.

Para o final do exercício, José Anjos prevê crescimentos de 61% nos fluxos de Portugal/Europa para o Brasil, de 17% nas emissões do Brasil para a Europa e de 11% nas cargas destinadas a Angola.

Quanto à concorrência que outras operadoras poderão mover à companhia aérea nacional naqueles tráfegos, José Anjos reconheceu que o mercado tenderá a ficar mais aberto, mas lembrou que também a TAP Carga poderá conquistar quotas de mercado. E deu o exemplo da Alemanha (entre outros), que tem o Brasil como terceiro destino de exportações mas onde a transportadora nacional tem apenas 9% de quota de mercado, apesar de ter crescido 118% no último ano.

Os comentários estão encerrados.