Quatro anos volvidos sobre a privatização, a refundação da TAP chega ao negócio da carga, com um novo nome e uma nova equipa de gestão, adianta Miguel de Paiva Gomes ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS.

TAP Air Cargo é agora a nova designação oficial do negócio de carga da transportadora aérea de bandeira nacional. A nova marca e logo foram apresentados ao público mundial em Março passado, na Intermodal South America, em São Paulo, Brasil.

A unidade de negócio é dirigida por Miguel de Paiva Gomes, TAP Global Chief Cargo Officer (GCCO), que reporta directamente a David Pedrosa, membro da Comissão Executiva da transportadora.

O novo GCCO assumiu funções em Junho do ano passado. Desde então, em linha com o processo de transformação da TAP, e com o objectivo de fazer crescer o negócio da carga e correio, foi delineada uma nova equipa de gestão de topo, integrada por cinco quadros.

Miguel de Paiva Gomes fez as apresentações para o TRANSPORTES & NEGÓCIOS. Assim:

Ana Filipe é a nova Diretora Comercial de Carga e Correio; Bruno Aires é o Gestor de Carga Portugal (a quem reportam as estruturas de carga Lisboa, Porto, Açores e Madeira); Bernardo Nunes é Gestor Sénior de Produto e Serviço de Carga e Correio; Lígia Vieira é a Gestora Sénior de Receita de Carga e Correio; e João Silva é o Gestor de Performance Operacional de Carga e Correio,  contando com a colaboração dos coordenadores regionais de operação de Carga, Márcio Alves para os mercados da Europa/África/Ásia e Klaus Fischer para as Américas.

No ano passado, o negócio de carga e correio da agora TAP Air Cargo cresceu 9% em “chargeable weight”, o que, segundo Miguel de Paiva Gomes, representou “aproximadamente o dobro do mercado, na nossa rede de destinos”.

Para este ano, o desafio é continuar a crescer, além do mais, com os novos destinos e os novos aviões.

Em termos de network, prevê-se a abertura de 17 novas ligações (“as primeiras arrancaram a 31 Março”). Especial enfoque será dado aos EUA – “em Junho seguem-se Chicago, São Francisco e Washington” -, numa aposta “similar” à que foi feita no Brasil, refere o GCCO da TAP Air Cargo.

Ao nível da frota, “em 2019 far-se-á a renovação de 80% da frota de “longhaul”, com a entrada de 37 novas aeronaves, em particular os A330NEO e A321LR, mais modernos, competitivos e menos poluentes”, acrescenta.

O actual nível de Satisfação de Clientes da TAP no negócio da carga está acima do da média da Star Aliance, garante o seu líder, a fechar.

This article has 1 comment

  1. luis pereira

    A ANA e a TAP travam há 4 anos !!!! a construção do novo hub de carga aérea da DHL de 40 milhões euros