O Grupo TCB – Terminal de Contentores de Barcelona projecta investir cerca de 800 milhões de euros até 2015, em Espanha mas sobretudo em mercados emergentes.

Entre os projectos em curso destacam-se a construção e gestão dos terminais de contentores da Baía de Nemrut (Turquia), com uma capacidade de 360 mil TEU/ano; de Buenaventura (Colômbia), para 1,3 milhões de TEU; de Ennore (Índia), para 2,4 milhões de TEU; e de Ho Chi Min (Vietname), para 2,6 milhões de TEU.

Em Barcelona, o TCB prevê investir entre 60 e 70 milhões de euros na ampliação das actuais instalações, passando da actual capacidade de 1,4 milhões para os 2,2 milhões de TEU em 2013.

Mas os planos do Grupo TCB não se ficam por aqui. Em análise estão mais 13 projectos, na América do Norte, América Latina, Ásia e África.

Para financiar os investimentos, o grupo catalão conta com os capitais próprios e com financiamento externo, sendo este negociado caso a caso, para projectos concretos, nomeadamente com o BEI.

Actualmente o Grupo TCB opera 13 terminais portuários e três terminais ferroviários de contentores. No ano passado, movimentou 2,7 milhões de TEU e facturou 290 milhões de euros.

Este ano, o grupo está a beneficiar da rápida recuperação da actividade, particularmente nas economias emergentes, onde alguns terminais já superaram até os níveis de antes da crise. No geral, as previsões para o final do exercício são de um crescimento de 15% no volume de negócios e de uma movimentação de cerca de 3,1 milhões de TEU (sensivelmente igual ao realizado em 2006). Para 2011 prevê-se o regresso ao nível de antes da crise, em 2008.

O Grupo TCB é participado pela portuguesa Finpro (holging criada por Horácio Roque, Américo Amorim e CGD), que adquiriu 30% em parceria com os australianos da Queensland Investment Corporation.

Os comentários estão encerrados.