A TCGL, concessionária do terminal de carga geral e granéis sólidos de Leixões, é a única empresa do sector interessada na gestão da plataforma logística do porto nortenho. Candidatou-se em parceria com uma das cinco imobiliárias concorrentes.

Sem surpresa, o concurso lançado em Novembro pela APDL para escolher a futura gestora e promotora comercial da plataforma logística de Leixões atraiu o interesse das imobiliárias com experiência nacional e internacional em empreendimentos logísticos.

Fonte da administração portuária disse ao TRANSPORTES & NEGÓCIOS que as candidatas que se apresentaram à primeira fase do concurso foram “a Abacus, a Aguirre Newman Portugal, a Cushman & Wakefield, a Jones Lang Lasalle e a Prea”. No lote, a menos mediática será mesmo a Prea, que todavia tem como “cartão de visita” os empreendimentos Alverca Park, Sintra Business Park e Quinta da Fonte Office Park (este em Paço de Arcos).

Neste contexto, a novidade é mesmo a participação da TCGL, associada à Cushman & Wakefield. Recorde-se que o Grupo ETE, que controla a TCGL, foi o único a concorrer à concessão da plataforma logística de Leixões (então liderando um consórcio participado pela Edifer e por uma sociedade de investimento). Mas o processo não foi para a frente.

No concurso que está agora em aberto, a APDL pretende escolher quem assegure a gestão do dia-a-dia da plataforma (no que toca ao fornecimento dos serviços comuns, de “condomínio”) e, também, faça a promoção e comercialização do empreendimento junto do mercado. A empresa escolhida ganhará um contrato de prestação de serviços com uma duração de cinco anos.

Ainda de acordo com a mesma fonte oficial da APDL, a segunda e última fase do concurso, que corresponde à apresentação de propostas, “poderá estar concluída no início do segundo trimestre”.

 

Comments are closed.