Com a entrada da HMM, a THE Alliance quase iguala a 2M em quota de mercado e reduz a diferença para a líder Ocean Alliance, sublinha a Alphaliner.

THE Alliance aumenta quota de mercado para 30%

Segundo a consultora, a HMM deverá contribuir para a THE Alliance com uns 519 mil TEU de capacidade, o que permitirá à aliança aumentar a sua quota de mercado (em termos de oferta) de 25% para cerca dos 30%. Praticamente a mesma da 2M (Maersk + MSC) e mais perto dos 40% da Ocean Alliance (onde pontificam a CMA CGM e a Cosco).

Além disso, sublinha a Alphaliner, a HMM proporcionará à THE Alliance uma dúzia de navios de 23 000 TEU de capacidade, que seguramente serão alinhados nos serviços Ásia – Norte da Europa. Actualmente, a HMM tem um serviço independente no Ásia-Norte da Europa, que opera com navios de 4 000 / 5 000 TEU.

Já os oito navios de 15 000 TEU que a companhia sul-coreana começará a receber a partir de 2021 deverão ser alinhados no trans-Pacífico, entre a Ásia e a Costa Leste dos EUA, refere a Alphaliner.

A consultora lembra ainda que a Maersk e a MSC terão de devolver à HMM nove navios de 10 000 / 13 000 TEU, que lhe “retiraram” em 2017, no âmbito da parceria então assinada.

A HMM esteve para aderir à THE Alliance logo no início da aliança, mas foi afastada pelos seus pares na sequência do colapso da Hanjin. Na altura, a Hapag-Lloyd, a ONE a Yang Ming acordaram constituir um fundo de emergência para prevenir eventuais “contingências”, recorda a Alphaliner.

A consultora não antecipa se a HMM participará, e com que montante, nesse fundo, mas sublinha a presença de altos dignitários da Coreia do Sul na assinatura do acordo de adesão à THE Alliance, numa demonstração do apoio público à maior operadora marítima do país.

Comments are closed.