O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, as alterações aos contratos de seis concessões rodoviárias de que resultarão poupanças de dois mil milhões de euros.

SCUT Grande Porto

Em causa estão as PPP Interior Norte (controlada pela Sonae Capital e pela Eifagge), Bwira Litoral / Beira Alta, Costa de Prata, Aenor – AE Norte, Grande Lisboa e SCUT Grande Porto (todas da Ascendi, liderada pela Mota-Engil).

As poupanças estimadas ao longo da vida das concessões ascendem a dois mil milhões de euros. O secretário de Estado das Finanças, Manuel Rodrigues, destacou a propósito, no final da reunião do Executivo, a redução da TIR – Taxa Interna de Rentabilidade dos accionistas das concessionárias, de cerca de 13% para uma média de 8%.

As versões revistas dos contratos terão ainda de ser aprovadas pelo Tribunal de Contas.

Entretanto, o Executivo mantém o objectivo de conseguir poupanças de mais de 7,2 mil milhões de euros com a renegociação dos contratos das demais PPP rodoviárias, considerando as ex-SCUT e as concessões de primeira geração (como é o caso da Brisa).

A propósito, Sérgio Monteiro destacou os 500 milhões de euros que já terão sido poupados em 2013 e 2014, porque “assim que chegámos a acordo com os accionistas, adoptámos de imediato o novo perfil de pagamento de rendas”.

Comments are closed.