A TNT transportou com sucesso um crânio de um Tyrannosaurus rex – propriedade do Naturalis Biodiversity Centre (Leiden/Holanda) / Museu de História Natural de Leiden  – entre o Black Hills Institute of Geological Research no Dakota do Sul, Estados Unidos, e o Fraunhofer EZRT Research Institute, na cidade alemã de Fuerth.

O crânio em bom estado de conservação pertence a um T. rex (fêmea) com 66 milhões de anos que foi encontrado em Montana em 2013 e adquirido pelo Naturalis em 2014. O esqueleto original será exposto no Naturalis da cidade holandesa de Leiden em Setembro de 2016.

Após chegar ao Fraunhofer EZRT em Fuerth, o fóssil foi submetido a uma tomografia computadorizada de alta resolução para se obterem imagens 3D da sua estrutura. O Naturalis Biodiversity Centre e o Fraunhofer EZRA irão apresentar os resultados durante este mês. A TNT será igualmente responsável pelo transporte do espécime de volta aos Estados Unidos no início de Junho de 2015.

Com um peso de 690 quilos, o crânio fez uma viagem de 7,800 km a partir dos Estados Unidos numa caixa de madeira cuidadosamente preparada e selada com 1,90 metros de comprimento. Inicialmente, a TNT transportou o crânio do Dakota do Sul até ao Aeroporto de JFK em Nova Iorque numa viagem de 2.785 km. Depois seguiu de avião para o Hub aéreo de Liège num Boeing 747 e, posteriormente, por via terrestre até Fuerth na Alemanha. Ao longo das viagens foram sendo enviadas actualizações regulares sobre o estado do transporte. O camião da TNT – especialmente preparado para o transporte – estava equipado com a tecnologia mais avançada de monitorização e era conduzido por um motorista de “serviços especiais”.

“Estamos muito orgulhosos em ajudar o Naturalis Biodiversity Center a trazer um esqueleto raro de T. rex para a Europa,” explicou Grant Cochrane, Global Special Services Director da TNT. “Na TNT temos a experiência necessária e um histórico de entregas de cargas especiais. Porém, esta é a nossa primeira oportunidade para lidar com o transporte de um item pré-histórico com tal valor científico.”

Os comentários estão encerrados.