A Transinsular é uma das candidatas à concessão do transporte marítimo de passageiros e cargas entre as ilhas de Cabo Verde, mas tem forte concorrência local e de empresas internacionais.

O Grupo ETE manifestou o interesse na concessão através da Transinsular e da Transinsular Cabo Verde, recentemente criada, e que detém o primeiro navio de registo caboverdiano apto a operar nos tráfegos internacionais.

A Transinsular alterou recentemente a sua oferta de transporte para o arquipélago africano, com o lançamento simultâneo dos serviços Lince Class e Atobá, sendo este último operado pelo “Ponta do Sol”, de registo local e ligando precisamente as diversas ilhas de Cabo Verde (com extensão à Guiné-Bissau e Mauritânia).

A concessão em causa deve ser de, pelo menos, 20 anos, tendo em vista cumprir o serviço público, nomeadamente nas linhas Praia/Fogo/Brava, Praia/Maio, Praia/Boa Vista, Praia/Sal, Sal/São Vicente, Praia/São Nicolau e São Vicente/São Nicolau/Boa
Vista.

O concurso público internacional promovido pelo governo de Cabo Verde prevê que, numa primeira fase, os interessados submetam as suas manifestações de interesse e, numa segunda fase, sejam convidados a apresentar as suas propostas técnicas e financeiras.

À primeira fase ter-se-ão apresentado, além do Grupo ETE, a Palm Shipping Lines/Tschudi Ship Management, Moura Company, Polaris, CV Line Transporte Marítimo, West África Shipping Line/ ANEC Lines SA/ Marlow Navigation CO , Cabo Verde Fast Ferry e a China Marine Service Company.

Entretanto, uma das concorrentes excluídas a Palm Shipping Lines/Tschudi Ship Management recorreu da exclusão à Autoridade Reguladora das Aquisições Públicas (ARAP), o que implica a paragem do processo.

 

Os comentários estão encerrados.