A entrada dos sociais-democratas do SPD no governo de Angela Merkel poderá ser má para os transportadores rodoviários de mercadorias pelo risco da generalização da ecotaxa rodoviária às estradas nacionais do país.

O líder do SPD, Sigmar Gabriel, já afirmou peremptoriamente que “não aceitaremos um acordo de coligação que nos imponha fazer o contrário do que prometemos durante a campanha”.

Ora os sociais-democratas, mais sensíveis às questões do ambiente, são defensores da cobrança da ecotaxa sobre a circulação de veículos pesados nas estradas germânicas. Até agora, a LKW Maut apenas se aplica às auto-estradas e a vias rápidas de quatro vias.

A apoiar as intenções do SPD estará também a necessidade de obter receitas para garantir a manutenção das infra-estruturas de transportes, sacrificada nos últimos tempos por causa do rigor orçamental imposto pela chanceler.

Do lado dos transportadores rodoviários fala-se já que a generalização da LKW Maut colocará em perigo 150 mil empregos no sector.

Ainda há poucos dias, na vizinha França, o governo de François Hollande cedeu à contestação e adiou sem data a cobrança da ecotaxa rodoviária. Será este um bom prenúncio para os alemães?

Comments are closed.