Com a adesão de Bragança, a partir de segunda-feira, generaliza-se a redução de 90% no preço dos transportes públicos na CIM Terras de Trás-os-Montes.

O Serviço de Transportes Urbanos de Bragança (STUB) começa a aplicar, a partir de segunda-feira, a redução de 90% nas tarifas. De acordo com a nova tabela, a que a “Lusa” teve acesso, os transportes municipais de Bragança, que servem a cidade e várias aldeias, terão, a partir de segunda-feira, bilhetes a 10 cêntimos nos circuitos urbanos e alguns rurais e no máximo de 20 cêntimos nos circuitos mistos, que permitem viajar na cidade e aldeias.

Os carregamentos mensais para passe social passam de um mínimo de 24 euros para 2,40 euros e de um máximo de 45 euros para 4,5 euros.

As novas tarifas estarão em vigor durante todo o mês de Dezembro e fazem parte do pacote da Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes, que decidiu aplicar a tranche a que teve direito do PART – Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos transportes públicos na redução de 90% do preço dos bilhetes nas 76 carreiras que servem os nove concelhos do território.

A medida está em vigor desde o dia 20 de Novembro, mas em Bragança só agora será aplicada porque foi necessário adaptar o serviço aos novos preços, segundo o presidente da Câmara, Hernâni Dias.

Os STUB de Bragança juntam-se assim às restantes carreiras do território da CIM que, com a excepção da Rede Expresso, têm em vigor uma redução de 90% no preço das viagens nos concelhos de Bragança, Macedo de Cavaleiros, Vinhais, Mirandela, Vimioso, Vila Flor, Alfândega da Fé, Mogadouro e Miranda do Douro.

A população dos nove concelhos pode viajar por todo o território até ao final do ano por apenas alguns cêntimos. A título de exemplo, uma viagem entre Bragança e Mirandela fica a cerca de 60 cêntimos, enquanto até aqui o bilhete custava seis euros.

A ideia inicial da Comunidade Intermunicipal era a gratuitidade dos bilhetes, mas, segundo explicou o presidente, Artur Nunes, questões técnicas como a emissão e controlo dos bilhetes por parte das operadoras impediram este
propósito.

A CIM ainda não sabe como irão ficar os preços no início do ano, com o presidente a defender que transportes gratuitos seriam “a situação ideal” para este território e a prometer reivindicar financiamento junto do Governo por entender que esta seria uma medida de discriminação positiva.

A CIM Terras de Trás-os-Montes recebeu do PART quase 176 mil euros que tem aplicado na redução dos bilhetes no território. A primeira redução foi de 15%, entre Maio e Julho, seguida de outra para 40%, que estimulou um aumento da procura médio mensal de 13%, ou seja, mais 1 500 bilhetes vendidos por mês.

Estas medidas têm sido tomadas enquanto a CIM ultima ainda o plano de transportes para uma nova rede no território, que só deverá ficar pronto para ir a concurso público no próximo ano.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*