Em Agosto, a situação do mercado europeu de veículos pesados de mercadorias agravou-se, com a quebra das vendas a atingir os 9,8% em termos homólogos. Com isso, as perdas acumuladas em 2012 chegam já aos 6,2%.

Em Agosto matricularam-se na União Europeia 19 042 veículos de mercadorias de +3,5 toneladas. Há um ano haviam sido 21 108. A Alemanha recuou 10,6%, para os 6 627 veículos; a França caiu 13,3%, para os 2 111; a Itália afundou 31,2% até aos 1 098; Espanha baixou 21,1% para os 753. E mesmo o Reino Unido cedeu 3,5% para os 2 284 camiões.

A contrariar a tendência geral, a Polónia avançou 33,9% (1 414 registos) e a Dinamarca chegou aos 19,9% (344). Mas foram as excepções à regra, a par da Finlândia, Letónia e Eslováquia, mercados de reduzida dimensão. A Holanda também cresceu, mas apenas 2,% (883).

Em Portugal, em Agosto matricularam-se 122 pesados de mercadorias, contra os 168 de há um ano. Uma quebra de 27,4%.

No balanço dos primeiros oito meses do ano, as vendas de pesados de mercadorias na UE ascendem agora a 192 898 veículos e comparam com os 205 582 de há um ano. O Reino Unido lidera destacado os ganhos, com uma subida de 14,9% até às 27 142 matrículas.

Todos os principais mercados estão claramente em perda. A Alemanha, regista 59 990 camiões (menos 5,9%), a França 31 466 (menos 4,1%), a Polónia 10 612 (menos 1,6%), a Itália 9 911 (menos 30,2%), a Holanda 8 030 (menos 8,6%) e a Espanha fica-se pelos 7 964 (menos 21,2%).

Portugal continua entre os piores resultados, com um acumulado de 1 124 camiões e uma perda homóloga de 44,4%. Pior só mesmo a Grécia, que afunda 64,8% e só matriculou 135 camiões, e Chipre, com um recuo de 45,5% para 67 unidades.

Os comentários estão encerrados.