Preparando-se para a temida “tenaz” que poderá representar a acção concertada de Leixões e Ferrol, sob a liderança da TCL, Vigo aposta na expansão da capacidade do seu terminal de contentores.

Primeiro foi a ampliação da área disponível, de 120 mil para 180 mil metros quadrados. Depois foi a compra de um pórtico de cais super post panamax. Agora será a vez de reordenar o espaço do parque de contentores.

A concessionária do terminal, a Termavi, propõe-se investir cerca de dois milhões de euros nas obras, que deverão estar concluídas em meados do ano. No essencial, melhorar-se-ão os acessos rodoviários, criar-se-á um acesso ferroviário directo e, acima de tudo, reorganizar-se-á a circulação dos camiões no interior do parque mediante a criação de uma via central que dará acesso directo a todos os corredores.

Com o novo layout, e com os novos equipamentos de movimentação de cargas, o terminal de contentores de Vigo aumentará a sua capacidade, dos actuais 200 mil TEU/ano para cerca dos 350 mil TEU. E tornar-se-á um “terminal do século XXI”, como o definiu o presidente da autoridade portuária na apresentação do projecto.

Vigo movimentará cerca de 80% das cargas da Galiza. Mas o aproximar do início da operação do terminal de contentores de Ferrol é motivo de apreensão, uma vez que a FCT, concessionária de Ferrol, é controlada pela TCL, concessionária de Leixões, sendo por isso expectável a procura de sinergias entre os dois terminais. E Vigo está no meio.

Comments are closed.