O voo directo entre a China e Portugal registou uma taxa de ocupação superior a 80% nos primeiros seis meses de operação, avançou à “Lusa” uma fonte da Capital Airlines.

No total, terão sido transportadas cerca 40 mil pessoas, acrescentou o departamento de marketing da empresa.

O voo, que tem três frequências por semana, entre a cidade de Hangzhou, na costa Leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim, arrancou a 26 de Julho do ano passado.

Coincidindo com a ligação a Lisboa, a companhia aérea abriu também um voo entre Macau e a capital chinesa, de forma a servir também os 15 mil portugueses que vivem no território outrora administrado por Portugal.

Em 2017, o número de chineses que visitaram Portugal cresceu 40,7%, para 256 735, segundo dados das autoridades portuguesas, que atribuem o aumento à abertura da ligação aérea directa.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, os turistas chineses foram responsáveis por 415 882 dormidas em Portugal, mais 109 240 “noites” do que em 2016. A consultora Global Blue revela ainda que, em média, cada turista oriundo da China gastou 642 euros por dia em Portugal.

A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, accionista da TAP através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul.

Este artigo tem2 comentários

  1. Parabéns ao governo português pela iniciativa agora só falta construir o NAL – novo aeroporto Lisboa que o 1º primeiro ministro diz ser tema tabu porque não será necessário quando já se sabe que a nova pista no Montijo não resolve a falta de capacidade da Portela !

  2. Era muito bom termos capacidade em Lisboa, no Porto e também em Faro para receber passageiros não só da China mas também da Índia, Japão e Austrália para o crescimento do turismo transformando a capital em hub internacional de ligação da Ásia com América do norte