A West Sea, subconcessionária dos extintos ENVC está construir seis navios e projecya investimentos de 26 milhões de euros para continuar a crescer, anunciou o presidente do grupo Martifer.

Carlos Martins, que falava durante a cerimónia de baptismo do NPO Sines, adiantou que “a West Sea conta actualmente com 345 trabalhadores, dos quais 155 dos extintos ENVC”. Aos quais acresce  “uma média diária de cerca de 700 trabalhadores indirectos, de subempreiteiros adstritos à actividade de construção, manutenção e reparação naval, fazendo dos estaleiros de Viana do Castelo uma das mais importantes unidades do sector na Península Ibérica”, adiantou.

Em Viana estão em construção “uma draga, a entregar este mês, o navio oceânico World Explorer, que estará concluído no final do ano, o NOP Setúbal, que também deverá estar pronto no final deste ano, e três navios-hotel para o Douro, com conclusão no primeiro trimestre de 2019”, referiu Carlos Martins.

Em três anos, foram “reparados ou reconvertidos 158 navios”, acrescentou.

Carlos Martins realçou que desde 2014, ano em que o grupo Martifer assumiu os estaleiros navais de Viana do Castelo, “foram investidos oito milhões de euros” e apontou dois novos investimentos.

A dragagem, em parceria com a APDL, do canal de acesso, que vai permitir que navios de maior calado possam ser construídos e operar nestes estaleiros. A intervenção, avançou, está orçada em 15 milhões de euros e será,
“integralmente suportada pela West Sea”.

E a construção de “uma nova doca de 200 metros de comprimento, num investimento de 11 milhões de euros”.

O presidente do grupo Martifer sublinhou que os estaleiros de Viana do Castelo “são hoje uma referência mundial na indústria da construção naval” e referiu que o navio NPO Sines “será uma bandeira nacional no mundo”.

 

 

Os comentários estão encerrados.